Deixe aqui sua dúvida!

Resolvemos fazer aqui uma espécie de “FAQ cervejeiro”.think-beer-the-thinker-colors

Nessa página você pode mandar suas dúvidas em relação à cerveja que faremos o possível para esclarecê-las. Analisaremos e atualizaremos esta página com um “TOP 20” das dúvidas mais frequentes à medida que mais perguntas vão sendo feitas.

Dê um “CTRL + F” e busque sua dúvida, se não encontrar escreva sua pergunta nos comentários, seja sobre degustação, harmonização, estilos, copos… Lembrando: os comentários são moderados antes de serem exibidos, por isso, basta enviá-los uma vez.

1. A procedência da água faz mesmo diferença no sabor da cerveja?

Não. A procedência da água não influi nem na qualidade nem no sabor da cerveja, pelo menos não deveria. Muito marketing relacionando a procedência da água à qualidade da bebida é espalhado por aí, seja das serras paulistas, dos Andes ou do topo das montanhas europeias, mas isso não lhe garantirá uma boa cerveja. Uma água de boa qualidade na sua nascente é ótima para o produtor, pois os gastos com tratamento serão mínimos. O que pode acontecer é o controle de qualidade da cervejaria se desleixar e deixar saírem bebidas de baixa qualidade por conta de falhas no tratamento e monitoramento da qualidade da água, não pela sua origem. Até a água do mar, se tiver um bom tratamento, você provavelmente não perceberia.

2. Lata ou garrafa, qual o melhor envase?

Deveria ser na lata, por conta da total proteção da luz, maaaas… as pobres latinhas sofrem muito no transporte. Caixas delas são impiedosamente arremessadas no empilhamento e organização, fazendo com que a proteção interna se rompa e a cerveja entre em contato com a lata, ficando o conhecido gosto metálico.

3. Qual a diferença entre chopp e cerveja?

Nenhuma, a não ser pela pasteurização da que vai na garrafa. Na verdade Chopp (Schopp) é uma medida, 300ml, tal qual o Pint (por volta de 500ml, dependendo da região). Quando pedimos um chopp, normalmente, ele é servido num copo de 330ml, sendo 30ml do volume do copo reservado para a espuma. No Brasil é que cerveja e chopp são vendidos como produtos diferentes, mas não deveriam.

4. Como armazenar a cerveja em casa?

Em pé, no fundo da geladeira. Aconselha-se deixar em pé para tentar diminuir a área de contato do líquido com o oxigênio ainda existente no interior da garrafa e no fundo da geladeira por preservação, não vai ser mexida pra lá e pra cá como seria se colocada na porta e ela vai ficar a uma temperatura reduzida.

5. Pergunta de Leitor – Leonardo Graton: Duvida de um futuro homebrew que ate hoje não consegui solucionar. Como adicionar itens como amendoim ou avelã em uma receita de cerveja? Em qual etapa incluir? e o óleo gerado por eles na receita, o que fazer?

Eu penso que a maneira mais segura para um homebrewer adicionar oleaginosas é por meio do extrato delas. Exatamente por conta desse óleo naturalmente contido nessas espécies que pode prejudicar e muito a produção de uma cerva. Se não quiser usar um extrato pré-fabricado você pode fazer o seu próprio. Como?

Pegue as “sementes” descascadas e picadas e as ponha num recipiente e cubra-as com Vodca, isso mesmo, ela retém os aromas e sabores, e deixe descansar na geladeira por uns dias. Retire o óleo residual com uma colher ESTERILIZADA.

Depois extraia essa vodca flavorizada e adicione no meio da fermentação, após algumas semanas (6 a 8). Em pouca quantidade, pois essa essência fica bem forte. Assim se faz essência de baunilha e de outras coisas mais. Acho que ficaria massa fazer delas defumadas. Agora, se você quer adicionar as “castanhas” meeeesmo. O buraco é um pouco mais embaixo… hehehe

Como nunca fiz só tenho lido sobre assunto, aqui vai.

Bote as oleaginosas para assar (175ºC) sobre um papel que as proteja do contato com a assadeira, se você notar que o papel está absorvendo o óleo delas, troque-o de tempos em tempos. Depois espalhe-as em cima de um papel-toalha para mais uma absorção desse óleo residual. Divida-as em dois “hop bags”, aqueles em que se costumam fazer Dry Hopping. Colocque um na mostura e o outro na fervura. Acho que rolaria assim. Só tem que ver as proporções com cuidado.

Respondido por +Sergio Theophilo S. Jr.

6. Pergunta de Autor – Felipe Vitoriano [rsrs]: Bom, aqui vai uma dúvida que eu e mais dois amigos cervejófilos, companheiros de lúpulo, sempre nos perguntamos e não temos muita certeza: Qual a diferença entre Stout e Porter. Sei que Stout é uma Porter mais forte, da pra ver comparando uma Guinness com uma London Porter, porém o que faz a Stout ser diferente da Porter?? E as Double Porter e Extra Porter? Essas cervejas escuras sempre me dão um nó.

Cara, é o seguinte:

As Porters foram criadas pela “mistura” de várias cervejas escuras. De tanto mexerem na receita das Porters, criando outros sub-estilos, apareceu uma cerveja mais forte, encorpada, que denominaram Stout Porter (stout significa robusto). Aí já viu, né? “Droparam” o Porter e ficou só Stout mesmo, pois esse sub-estilo se destacou bastante.

As duas são Ale, mas tem um Sub-estilo de Porter que é pode ser fermentada com leveduras Lager. Macho, no geral as Stouts serão mais opacas e mais escuras, enquanto as Porter ainda apresentam um belo marrom, principalmente quando contra a luz.

Agora, uma coisa engraçada: criaram um sub-estilo de Porter chamado Robust Porter. Vai entender… Isso pelo BJCP, né, que sou mais familiarizado. Não se encontram Double Porter ou Extra Porter. Os sub-estilos são as Brown Porter, Baltic Porter e Robust Porter. Já os da Stout são mais.

Melhor respondido em Porter x Stout: qual a diferença?

Respondido por +Sergio Theophilo S. Jr.

7. Pergunta de curtidor da Fan Page – Rodrigo Follmer
Olá amigos… Aos poucos vou virando fã do lúpulo e da cerveja boa. Algumas dúvidas simples me surgiram tentando entender o processo de fabricação da bebida. Poderiam, se possível, me responder essas barbadas? heheh.. A minha dúvida é a seguinte: dizem que o tipo de fermentação depende do fermento (levedura) usado (que pode ser para baixa ou alta fermentação), mas também da temperatura (alta para ales e baixa para lagers). Depende do que afinal? do fermento ou da temperatura? e se eu pegar um fermento para lagers e colocar pra fermentar em temperaturas para ales?

Minha outra dúvida: as leveduras vão transformando os açúcares do malte em álcool e CO2. Assim que o álcool vai aparecendo na bebida, como as leveduras sobrevivem? Achava que nenhum ser vivo sobreviveria em meio ao álcool! 

Obrigado desde já!

Olá, meu caro. Agradeço a visita!

Vamos lá:

– Sobre as leveduras, Ale ou Lager, e a temperatura: o lance de temperatura alta ou baixa se refere ao ótimo de atividade metabólica do micro-organismo. Nós funcionamos melhor por volta de 37,5º C, certo? Seguindo essa analogia: os fungos também tem uma temperatura ideal de uma máximo atividade no seu metabolismo – as leveduras Ale por volta de 15º – 22º C e as Lager por volta de 7º – 13ºC. Normalmente sempre bem perto do limite superior de da faixa indicada.

Como dito aqui: Estilos de cerveja

Já existem alguns casos de cervejarias que experimentaram brejas com as temperaturas de fermentação trocadas. Vai funcionar, mas só sob extremo monitoramento por pessoas experientes no assunto.

Se quiser ver uma discussão sobre isso num fórum, aqui está:
http://forum.homebrewer.com.br/viewtopic.php?f=2&t=1660

– sobre as leveduras sobreviverem ou não: o teor alcoólico é inferior ao teor crítico das “bichinhas” (minha professora de micro-biologia as chamava assim), que seria acima de 14% ABV, então elas sobrevivem. Mas ficam em baixíssima atividade, pois os açúcares do malte já foram todos devorados e convertidos em álcool e CO2.

Respondido por +Sergio Theophilo S. Jr.