11 curiosidades sobre a cerveja Guinness

Hoje e amanhã (26 e 27/08/13) acontece uma festa em comemoração aos 250 anos da fundação da empresa de Arthur Guinness, o Sir Arthur’s Day. O sobrenome não é coincidência… Neste dia, achamos válido falar um pouco sobre essa cerveja tão bebida.

Antes de se tornar uma bebida ícone de datas comemorativas com bebedeiras sem fim e festas de fraternidade por toda parte a Guinness era uma companhia pensada para a comunidade, dedicada a causas como direitos humanos e a preservações de marcos arquitetônicos irlandeses.
Vamos às curiosidades:

1. O que há além do nome?
Como dito no post Porter x Stout: qual a diferença?, as Stout vieram das Porter, depois que criaram as Stout-Porter… Enfim, tá no post. rs Então, no final do século XVIII, após a consolidação do estilo Stout, a Guinness resolveu fabricar, até recentemente, somente a cerveja que você conhece, a escurona de espuma densa e cremosa.

guinness good times comes tothose who wait
“Good things come to those who wait”

2. África.
Quase 40% de toda a produção da Guinness é consumida na África. Das 5 fábricas espalhadas pelo mundo, 3 se localizam no continente africano e pasmem: a Nigéria. lar de uma dessas fábricas é o segundo maior mercado consumidor de Guinness do mundo! Em primeiro lugar está a Grã-Bretanha, e, terceiro a Irlanda, em quarto está Camarões, mais um africano, e os EUA só aparecem em quinto lugar.

3. Fixação por curiosidades.
“E aí, qual a ave mais veloz da Europa?” A Guinness era tão obstinada a resolver essas discussões obscuras que surgem em mesas de bar que em 1955, o diretor administrativo da época, o Sir Hugh Beaver, lançou uma compilação de fatos curiosos em um livro. Sabe o nome? Esse mesmo: Guinness Book – O Livro dos Recordes. Pensado originalmente como uma jogada de marketing, o livro se tornou um dos maiores sucessos impressos no mundo.

4. Bloqueia a luz!
Nem preta, nem marrom. Tente segurar a cerveja contra luz – ou melhor, num lugar com bem pouca iluminação e uma só fonte de luz – que você perceberá que sua cor, na verdade, é um vermelho escuro profundo. Vai saber o por que…

5. Influente e engajado.
Em 1759 um protestante chamado Arthur Guinness fundou uma empresa chamada Cervejaria St. James’ Gate. ele se tornou um verdadeiro defensor dos direitos humanos. Criou a versão irlandesa da Cruz Vermelha e construiu especies de conjuntos habitacionais para os pobres e miseráveis de Dublin. Esta empresa apoiou a Irlanda nas duas Guerras Mundiais e garantia trabalho aos que voltavam delas.

6. Sobre físico-química…
A Guinness é rica em ferro e compostos antioxidantes, um pint (aproximadamente 500ml) dela tem apenas 210 calorias. Agora compare com um copo de leite, por exemplo, que tem 150 calorias e note a beleza nutritiva que é a cerveja.

7. Trabalhadores sagrados
Gerações de trabalhadores da Guinness tinham o dever de preservar a catedral de São Patrício (St. Patrick… coincidência? Creio que não), um marco histórico em Dublin e a maior igreja irlandesa. O terceiro filho ed Arthur supervisionou as obras.de reforma (1860 – 1865) que impediu a catedral de sucumbir.

8. “Lar é onde o coração está.”
Em 1997, da fusão da Guinness com a Grand Metropolitan, surgiu a Diageo, um conglomerado inglês que hoje é responsável pela fabricação de bebidas como Smirnoff, Jose Cuervo. Dessa forma, a sede da cervejaria não é mais em Dublin, mas em Londres.

9. E essa arpa dourada?
A Guinness levou mais de 100 anos para escolher seu emblema – a Harpa de Brian Boru. Brian Boru reinou na Irlanda entre 1002 – 1014. Essa harpa gaélica é um emblema heráldico irlandês, ou seja, um brasão que representa à Irlanda um símbolo de união. A propósito, é o único país na Europa a ter um instrumento musical como símbolo nacional.

10. Insumo gastronômico.
A Guinness serve para muita coisa na gastronomia, desde molhos para carnes pesadas até sobremesas leves como brownies e petit-gateaus. Recentemente conhecemos uma padeira de mão cheia que usa a cerveja para alimentar suas leveduras. E o resultado é incrível. Acompanhe o blog que sairá um post sobre sua padaria.

11. E por fim:
Não fique indignado com um cara que quer servir seu pint de Guinness da forma correta. O “on-tap” dela é bem diferente das comuns, pois conta com um sistema que injeta nitrogênio na cerveja, fazendo com que ela tenha uma efervescência mais acentuada. Dizem que o pint perfeito tem que ser tirado em 119,5 segundos… Mas quem diabos vai ficar contando esse tempo, hein?
Outra coisa sobre o serviço dela é que não se deve beber enquanto as borbulhas estiverem subindo, como mostra a figura ao lado. Deve-se esperar, assim como sugere a figura  passada. Afinal, “Good things come to those who wait”;

Vale ressaltar que o Arthur’s Day foi criado pela Diageo em 2009. Creio eu que foi uma jogada de marketing para bater de frente com o verde vibrante da concorrência no St. Patrick’s Day. rsrs

Enfim… vamos beber uma para comemorar? Sugiro a Foreign Extra Stout. ; )

Fontes:
foodrepublic.com

neatorama.com

Visite o Blog Lupulento e veja todo o conteúdo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *