Quatro dicas para degustadores de cerveja

Desde a primeira cerveja para cá muitas coisas mudaram: o ritmo dos goles, a análise sensorial, a memória gustativa, o paladar, enfim. A vida de um cervejeiro deve ser de constantes aprendizados, e ainda tenho muito mais para aprender!Decidi fazer uma lista mais detalhada de coisas que aprendi degustando cervejas durante esse pouco tempo que tenho de vida cervejeira. Vamos lá?

1. Ritmo

A primeira coisa que devemos atentar é ao ritmo da degustação. Não podemos ir com muita sede ao copo. A degustação é como um ritual. Comece com a análise visual do líquido: cor, turbidez, carbonatação e permanência da espuma e depois mais um tempo tentando descobrir os aromas presentes. Não tenha pressa.
2. Anotações
Processadas as ideias, sempre que possível faça anotações. Você pode guardar um caderninho de anotações cervejeiras em casa. Anotar características e ideias que você teve durante a degustação da bebida exercita sua memória e seu conhecimento sobre determinados estilos. Serve também para você estabelecer critérios de avaliação da cerveja de acordo com o estilo dela.
3. Temperatura
A temperatura é algo complicado aqui no Brasil, especialmente no nordeste que é muito quente. Somos acostumados a beber cerveja geladíssima para refrescar-nos. Geralmente sirvo na temperatura de geladeira (por volta dos 4º C) e com o tempo que levo para beber a cerveja ela vai aumentando gradualmente a temperatura. Lembrem-se que beber cerveja estupidamente gelada é estúpido, anestesia as papilas gustativas e atrapalha seu sensorial.

4. Paladar

Paladar evolui. Isso é fato. Não sabia? Você gostava de salada quando era criança? Algumas pessoas ainda não gostam, mas acredite: você pode passar a gostar se insistir em comer todo dia. Com cerveja é a mesma coisa. É adaptação de paladar. Eu insisti nas IPA (India Pale Ale) e virou meu estilo preferido durante uma época.
Saúde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *