5 momentos decisivos na história da cerveja.

Reiheintsgebot

Mês passado (Agosto) mais “história cervejeira brasileira” foi feita: em reunião do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) com profissionais do setor cervejeiro, bem como técnicos da área (mestres-cervejeiros, químicos, microbiólogos, geneticistas, etc) afim de elaborar uma instrução normativa para adição de “novos” ingredientes à cerveja.

Não vamos falar da invenção da cerveja como um momento decisivo na “Beer History” por um motivo óbvio: não existiria cerveja sem esse fato. Ok?
Vamos à História:

1º fato: Adição de lúpulo à cerveja.

Quando: por volta dos anos 1000
Relevância: Precisa mesmo dizer? rsrs Como costumamos comentar, o lúpulo é o tempero da cerveja, além de agente conservante e outras mais características. Imagine todas as cervejas que você mais gosta sem aquele amargor característico.
Imagine uma IPA, ela provavelmente não existiria. Relevância: ? Check.

2º fato: A lei de pureza da cerveja

Quando: 23 de Abril de 1516
Relevância: A Reinheitsgebot foi criada pelo Guilherme IV, Duque da Baviera, onde, dentre outras regras relacionadas à cerveja declara “…nós desejamos enfatizar que no futuro em todas as cidades, nos mercados e no país, os únicos ingredientes usados para fabricação da cerveja devem ser lúpulo, malte e água.“. A existência da microbiologia ainda não fora descoberta.

3º fato: A criação da refrigeração

Quando: 1850-1860
Relevância: Com o advento do microscópio e consequente descoberta da microbiologia, percebeu-se a necessidade do resfriamento da bebida: da produção de novos tipos de cerveja até o simples ato de colocarmos as queridas brejas para gelar em nossas casas. “Coincidiu” com o boom das Lager por volta de 1870. Alguém duvida da importância da refrigeração para cerveja?
Protesto “We Want Beer”

4º fato:
 O protesto “We Want Beer” e fim da proibição nos EUA
Quando: 1933
Relevância: Como mostramos na postagem O protesto “We Want Beer”, em 1919 uma espécie de lei seca nos EUA foi instaurada. Essa lei proibia fabricação, venda, transporte, importação ou exportação de qualquer bebida alcoólica dentro das fronteiras americanas. Então, tanto a sociedade civil, quanto alguns militares e governantes, como o prefeito de New York City Jimmy Walker, se mobilizaram e fizeram esse grande protesto. Funcionou.

5º fato: Reunião com o MAPA

Quando: 20 e 21 de Agosto de 2013
Relevância: Talvez não pro mundo, mas certamente fará muita diferença para nós brasileiros.
Aqui no nosso país cerveja tem que ter no mínimo 55% de malte de cevada (sabemos que nas macro-cervejarias algumas vezes nem isso não acontece. Eu disse macro, ok?) e lúpulo. A adição de produtos de origem animal era proibida, de acordo com outra instrução normativa: a 54 de 2001. Quais serão os ingredientes a serem autorizados? Chocolate, mel, leite, picanha, bacon… Mas alguns aqui podem pensar: eu conheço cervejas com ingredientes parecidos, até mesmo o bacon, na receita.
Ok. Eu também conheço, mas a maioria é importada. Algumas cervejas brasileiras com adição de mel, por exemplo, são categorizadas como bebidas mistas, podendo então ser comercializadas. Um bom motivo a favor dessa nova Instrução Normativa é o aumento da competitividade das nossas cervejas comparadas às importadas, que seja com bacon, leite, abacate, podem cruzar nossas fronteiras sem problemas (vai entender…).
A expectativa é que essa nova Instrução Normativa comece a vigorar em 2015. Acho tarde, mas os trâmites e burocracias, além das amarras ao Mercosul, não permitirão que seja antes, provavelmente.
Enfim, é uma notícia boa e esperamos que nossos cervejeiros artesanais tenham cada vez mais liberdade para experimentar e comercializar novas cervejas.
Fonte:
Wikipedia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *