Começando…

Chame como quiser: breja, cerva, suco de cevada…

Pra falar de cerveja primeiro deveríamos saber o que é cerveja, de que e como ela é feita (ou pelo menos deveria ser).
Cerveja é uma bebida, geralmente alcoólica, cujo álcool e gás carbônico provêm da fermentação do mosto cervejeiro pelas leveduras, podendo ainda serem adicionadas frutas e especiarias.

Entendeu? Já sabe tudo? Não, né? Vamos devagar…

ingredients

Falemos de sua composição, então:
Basicamente, cerveja é isso mesmo: água, maltes, leveduras, lúpulo e algumas vezes com adição outros ingredientes como frutas e especiarias.

– Água: sem muita expectativa em relação a sua origem, ok?
Muita gente diz que uma cerveja é pior que outra por conta da água. É, pode até ser, se a água não tiver sido devidamente tratada. É muita falta de cuidado com o consumidor (e com a bebida!) não atentar à qualidade da água.

Hoje em dia é muito fácil tratar e tornar a água própria para consumo e para fabricação de cerveja.

maltes

– Maltes: normalmente de cevada, mas podem entrar outros na jogada, respeitando uma devida proporção.
Malte é o produto da germinação artificial e posterior dessecação de cereais. Existem muitos tipos de cereais, mas o que dá o nome a nossa querida bebida é a cevada. Usam-se também trigo, milho, centeio… Só cuidado pra não beber uma “milheja” não declarada (muito comum aqui no brasil) achando que é #cervejadeverdade (hashtag usada pelos apreciadores nas redes sociais).

– Leveduras: elas são a causa do “barato” da cerveja.
Fungos. Sim, leveduras são fungos. Esses fungos fermentam o mosto (que é a mistura de água, maltes e lúpulo) produzindo álcool, gás carbônico e alguns outros subprodutos que influenciam no sabor. Elas também são ricas em proteínas e vitaminas. Juro! Pode conferir no Wikipedia. [rsrs]

lupulo11– Lúpulo: Ah, nosso querido lúpulo!
Lúpulo é um tipo de trepadeira da família das Cannabaceae [deixemos isso de lado, ok? rsrs].
Com o calor do processo de fabricação da cerveja (fervura) o lúpulo libera substâncias que a deixam com aquele famoso amargor (quase não encontrado nas cervejas “mainstream” nacionais) e ele também é um conservante natural.

Frutas, especiarias, etc: sim, sim.
Esses elementos são inseridos para conferir características únicas por algumas cervejarias ou por exigência de algum estilo de cerveja. Falaremos disso mais tarde, pessoal.

Acho que deu pra entender o que deve ser uma cerveja.

Vamos deixar pra falar sobre história, fabricação e outras especificidades de forma mais aprofundada nos próximos posts, pra não confundir nem tomar muito tempo. Afinal, é muito papo pra pouca mesa de bar.

Nos vemos em breve!

P.S.: esse foi o início de tudo, se quiser focar nos posts mais por aprendizado clique na tag Aprendendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *